COMO CHEGAR? (Mapa para localização) 1º Encontro Jovens Valiosos. #EuVivoEmSantidade



Como vocês já sabem no dia 26/07 teremos o nosso 1º Encontro Jovens Valiosos com o tema: Eu vivo em Santidade.

Para ajudar na localização, fizemos esse mapa que explica direitinho como chegar lá.

Se você vai de ônibus leia esse texto onde explico como chegar:

O ponto de referência é o supermercado Extra Paralela. No extra tem uma passarela. O doron é do outro lado do Extra, ou seja, você deve atravessar a passarela.

Pra facilitar vocês devem pegar o ônibus Doron. Se não sabem onde passa esse ônibus, vocês podem pegar qualquer ônibus que vá pra Paralela, descer no Extra e lá pegam Doron. O ônibus Doron passa tanto do lado mesmo do Extra quanto do outro lado da passarela (em frente a Odebrecht). Pegando o ônibus Doron fica super fácil, pois ele irá deixá-los muito perto do lugar.

No ônibus Doron vocês pedem ao cobrador/motorista para deixá-los 1 ponto depois da igreja católica(não é lá rs). No espaço de reunião ao lado da creche Olga Benário. É porque nós não temos nome de igreja, por isso não coloquei o nome. Nesse ponto de ônibus estarão 2 pessoas, usando a camisa do evento para conduzir vocês ao local.

Qualquer duvida falem comigo pelo face. Só não deixem de ir, por causa do medo de não achar o lugar rsrsrs

* Aprendam a coreografia e dancem com a gente no dia: clique aqui

* Leia sobre a programação do evento: clique aqui





3º Encontro Jovens Valiosos.



Olá Jovens Valiosos! Chegou mais uma vez o nosso tão esperado encontro. Não sei quantos de vocês já estiveram presentes nos encontros anteriores, mas foram benção pura e esse 3º não será diferente. O tema desse ano é: Para que eternidade você vai? Nesta oportunidade estaremos juntos pensando um pouco sobre o que temos feito com a nossa vida hoje que será proveitoso para a nossa eternidade. Será que realmente vale a pena viver na ambição desse mundo em ter coisas? Será que em vez de gastarmos tempo com o que é eterno estamos gastando muito mais tempo com o efêmero (passageiro)?
Será um dia maravilhoso, onde estaremos juntos celebrando ao nosso Senhor Jesus e também em comunhão com irmãos de todo cantinho da Bahia. 
Espero reencontrar muitos de vocês lá e conhecer outros muitos. 
Como todo ano, o evento será gratuito mas teremos uma camisa opcional que se você desejar obter é só me procurar nas redes sociais (Facebook Jamille Dória). 




Posso contar com a presença de vocês? Tragam a sua galera!

Deus os abençoe hoje e sempre! Estamos juntos!

Um beijo, 

Jamille Dória.

A VIRGINDADE SE TORNOU ALGO ULTRAPASSADO


Essencial nos tempos passados, exaltada pela religião, exigida pelos homens, preservada pelos pais, enaltecida pela sociedade e guardada pela mulher como algo precioso, a virgindade era emblema de pureza e honra, incentivada e valorizada como algo fundamental em uma mulher solteira, especialmente nas sociedades que foram erguidas com base nos ensinamentos das principais religiões monoteístas; judaísmo, cristianismo e islamismo. Como estou escrevendo para mulheres estarei focando a virgindade feminina, e já de inicio é importante esclarecer, que nesse caso, a ideia de virgindade não está atrelada apenas a não violação do hímen, mas a compreensão de uma mulher que nunca foi submetida a NENHUM tipo de relação sexual.


Em um tempo em que a promiscuidade sexual é enaltecida, falar sobre virgindade parece inadmissível. Se para as gerações do passado a castidade até o casamento era louvada e incentivada, hoje isso cedeu lugar à libertinagem crescente. A invenção da pílula anticoncepcional possibilitou, na década de 1960, um movimento que ficou conhecido mundialmente como A Revolução Sexual, liderada pelo Feminismo, afetou todo o mundo ocidental, desafiando os códigos tradicionais de comportamento relacionados à sexualidade humana. A nova mentalidade que surgiu a partir dessa revolução comportamental foi uma maior aceitação do sexo antes do casamento, a normalização da homossexualidade, a legalização do aborto e outras formas alternativas de sexualidade. O novo método contraceptivo desassociou o sexo da procriação e assim as mulheres estavam livres para se relacionarem sexualmente sem o risco de engravidarem. Portanto, tudo isso representou uma perda significativa do poder de valores de uma moral enraizada nos preceitos cristãos e a geração transviada dos Anos Rebeldes, embalada pelo som de Elvis Presley e os Beatles, seu estilo psicodélico e muita droga, prometeu, com toda essa liberação sexual, o paraíso na terra. Mas as cinco décadas que seguiram, provam que o paraíso está longe de se estabelecer, onde os seres humanos são incentivados a viverem como porcos imorais.


Os problemas decorrentes dessa nova perspectiva de conduta moral foram desastrosos e desde a década de 60, cada vez mais experimentamos os seus frutos amargos:

Doenças – A liberação sexual facilitou a proliferação das doenças sexualmente transmissíveis. Com um número cada vez maior de mulheres disponíveis para o sexo fora do casamento, não tardou até que as sociedades “avançadas” começassem a sofrer com a disseminação das doenças venéreas.

Divórcio crescente – Desde esse período se tornou mais fácil à obtenção do divórcio e as pessoas cada vez mais inclinadas ao pensamento de que o casamento só deveria durar enquanto houvesse paixão e atração. E a indústria cinematográfica investiu pesado para convencer, especialmente as mulheres, de que “o importante é ser feliz” e “o que vale é a satisfação pessoal.”

Nudez em público – Foi se tornando cada vez mais natural a exploração do corpo e a exposição da nudez. As mulheres famosas, a partir de meados do século passado, receberam o conceito depreciativo de Sex Symbol (símbolo sexual), ou seja, aquilo que desperta nos homens o desejo sexual, apenas. Artistas como Marilyn Monroe e Brigitte Bardot abusavam da sensualidade expondo seus corpos e ditando o comportamento de uma geração de mulheres.

Doutrinação homossexual – Foi a partir dos anos 60, que começou a se configurar o movimento homossexual, sendo hoje inadmissível dirigir qualquer tipo de critica a uma pessoa que adotou esse código de comportamento sexual, leis injustas são reivindicadas e a democracia cada vez mais afetada para que o Estado atenda as exigências da agenda gay.

Legalização do aborto – Quando a moral chega ao nível do esgoto não é de estranhar que uma geração de mulheres proteste pelo direito de matar seus filhos em nome de sua “liberdade”, ou como elas vociferam: “meu corpo, minhas regras”.

Explosão de pornografia – A imoralidade desenfreada gerada pela Revolução Sexual alavancou a indústria pornográfica que passou a faturar bilhões por ano e a obscurecer ainda mais o imaginário já depravado dos seres humanos.

Hedonismo – Doutrina moral que visa como o único propósito da vida a busca pelo prazer, relativiza os valores morais e não consente com nenhum tipo de sacrifício em prol de outros, sendo o fim principal da vida a satisfação pessoal (egoísta). O que presenciamos hoje são as pessoas reivindicando o “direito” de serem felizes mesmo à custa da desgraça de outros.

Desvalorização da mulher – Diferente do que a doutrinação feminista ensina, a mulher do passado era muito mais valorizada do que a desses tempos modernos. A figura feminina era honrada nos poemas antigos, retratada com ternura nas melodias, simbolizada por seres míticos como fadas e sereias e tão respeitada pelos homens que na sua presença eles mudavam o linguajar ao julgar indigno que determinados assuntos fossem falados diante de uma mulher, não porque ela não fosse capaz de entender e discutir, mas porque para eles era desonroso em contraste a ideia delicada e pura que sempre foi associado à mulher. Mas hoje as coisas já não são bem assim, as músicas, por exemplo, contém letras tão depreciativas sobre a mulher que os nossos princípios nem ao menos nos permite menciona-los e se houver uma palavra que pode definir as mulheres (maioria esmagadora) do século XXI, seria: Vulgaridade.

Enfraquecimento da família – Todos esses flagelos morais, é claro, afetaram desastrosamente a família, enfraquecendo seus laços e reduzindo seus valores. O casamento perdeu seu lugar proeminente na perspectiva das mulheres, que passaram a objetivar uma carreira profissional bem sucedida e deixando o casamento para mais tarde e quando casam, pois o ideal da relação moderna é “morar junto” enquanto dá certo. A criação dos filhos passou a ser responsabilidade das babás e a ausência dos pais tem se mostrado extremamente prejudicial.

Estas mudanças dessacralizaram a virgindade que adotou um valor negativo e hoje é vista como inadequada. A geração dos anos 60, com sua ideologia revolucionária prometeu mudar o mundo, e conseguiu, mas, para pior! A “Liberação Sexual” não trouxe liberdade, mas só escravidão, subjugando seres racionais a meros escravos sexuais dominados pelos seus desejos, pessoas sem controle sobre o próprio corpo, sem freio, sem temor.

O elevado padrão moral do cristianismo prescreve a virgindade até o casamento para ambas as partes (homem e mulher). O modelo perfeito de matrimônio está figurado na relação entre Cristo e Sua Igreja. Ele o Noivo Puro e Santo, ela a noiva virgem, imaculada, sem mancha e intocável, esperando o tempo para ser desposada (II Co 11:2; Ef 5:27). Seguindo a grandeza desse magnífico exemplo é preciso mostrar as jovens da nossa geração a beleza que há na castidade até o casamento. Que bonito é ser inocente, é não ter malicia, é lutar contra as tentações vencendo a carne. Que a felicidade está em obedecer a Deus e ser semelhante a Jesus, amar o que Ele ama e odiar o que Ele odeia. Vocês não precisam ser sexualmente experientes, enquanto solteiras, preservem sua virgindade, guarde-a para o seu futuro marido. O seu corpo só deve ser tocado pelo homem com o qual você estiver comprometida pelo matrimônio, antes disso ele deve ser proibido e inalcançável.

As moças que ainda são virgens permaneçam assim até o casamento, não importando o que o mundo determinou como certo, você não deve cair na tolice de tentar atender as expectativas da nossa sociedade caída e que a cada dia despreza mais e mais os resquícios de valores morais que ainda lhe resta. Busque a pureza de sua mente, “pensando nas coisas lá do alto” (Cl 3.2), procure se aprofundar na comunhão com Deus, não negligencie o momento particular de oração e trate com especial atenção o estudo da Escritura, assim você será cada vez mais cheia do Espírito Santo, Ele imprimirá em ti as evidencias de Sua presença na tua vida e terás forças para resistir às tentações e vencer o pecado. Ame a sua condição de virgem e não deixem o mundo te fazer sentir vergonha, lembre-se que essa é a vontade de Deus para você enquanto solteira, e o fato de saberes que isso desagrada a Deus deve te fazer abominar essa prática.

- Sonaly Soares

Quem é você?

Quando a "moda" do momento era o Orkut, todos nós tínhamos uma pergunta a ser respondida. Essa pergunta era Quem sou eu? E cada um respondia da forma que achava melhor. Alguns falavam realmente de si, outros colocavam textos prontos e outros diziam "quer saber? venha me perguntar" ou coisas do tipo. Hoje em dia a "moda" é o facebook, e lá também temos um espaço dedicado ao nosso perfil, só que agora o que precisamos responder é Sobre você. Apesar de saber que quase ninguém responde a essas categorias nas redes sociais, nós mesmos vire e mexe paramos para pensar em quem somos, qual é a história das nossas vidas até hoje, quem queremos ser futuramente, etc. Como diz a música do Rosa de Saron "Na noite fria começo a pensar em quem eu sou, por que existo, pra que sirvo e onde vou?".

PG em uma das suas canções responde a essa pergunta "Eu sou como um vento passageiro. Que aparece e vai embora. Como onda no oceano. Assim como o vapor." Não quero te deixar desapontado, te dizendo que não é nada, que é insignificante, mas, infelizmente, é o que você é. Digo infelizmente, porque não era para ser assim. A Trindade nos criou para sermos perfeitos, iguais a "Eles". Mas, por causa do pecado, nos tornamos pessoas más, com inclinação para os desejos da carne. Já nascemos com uma semente pecaminosa em nós. Salmos 51:5 diz "Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concedeu minha mãe". Em Romanos 3:23 lemos "Porque todos pecaram e destituídos (afastados) estão da glória de Deus". Então, essa é a nossa condição, somos todos pecadores. 

Mas, tenho uma boa notícia para dar a vocês. Através de Jesus, podemos ser justificados e perdoados. "Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que Ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus" (Rm 3:24-26). A morte de Jesus na cruz nos deu a possibilidade de termos uma nova vida, livre do domínio do pecado. " Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça " (Rm 6:14).

Agora se imagine respondendo a essa pergunta: Quem sou eu? Sou um pecador, que foi justificado e perdoado através da morte de Jesus na cruz quando O aceitei como o Senhor e Salvador da minha vida. Tenho a inclinação para o pecado? Sim! Mas não vivo na prática do pecado, pois ele não me domina. Foi pela graça, o favor imerecido de Deus, que eu fui livre e me tornei Dele. Resumidamente, Quem sou eu? Eu sou Teu, Jesus!


Ouça a canção Quem sou eu? PG.
Ouça a canção Noite fria. Rosa de Saron
* é só clicar.

Autora: Jamille Dória.

A amizade não é a qualquer preço.



Será que somos Irmãos Amigos?


A Igreja é caracterizada pelo relacionamento entre seus membros. Isso é reflexo do caráter de seu fundador, que é um caráter de relacionamento, de amizade. Quantos amigos fizemos neste ano? Quantos perdemos ou não cultivamos? A Igreja é um lugar de amizade. É o lugar onde Deus nos coloca para andar em amizades sólidas e leais. Essas amizades são ferramentas de Deus para nos aperfeiçoar. (Pv 27:17)

É impossível ao cristão aperfeiçoar-se sem a ajuda de seus irmãos. (Pv 27: 5) É na Igreja que conhecemos a provisão de Deus, que recebemos a saúde do Corpo de Cristo.

A amizade não é a qualquer preço. Ela precisa ser santa, nascer no coração de Deus. (Sl 16:3) Se a amizade não se situa ao redor de Jesus, não vale a pena ser mantida, pois somente a amizade produzida pelo Espírito Santo é eterna e abençoadora. (Ex 32:27 | Dt 13:6 | 1Co 5:11 | Ef 5:6) O Senhor Deus deve ser o eixo dos nossos relacionamentos, que tem que ser santos, como o Senhor é santo.

A amizade tem que produzir bênção para os outros. Não pode se tornar uma panela fechada, onde outros não podem entrar. Deve ser uma relação inclusiva que traz graça ao seu redor. As nossas amizades tem que produzir frutos eternos para nós e para outros.

A amizade revela os corações. Os amigos são abertos entre si. Falam de suas aspirações, seus medos, seus planos e, por isso, a amizade provê ajuda e proteção. A transparência revela a amizade que existe. Quanto maior for a amizade, maior será a transparência. (Jo 15:15; Ex 33:11) Não se deve esperar uma amizade sem decepções, sem desilusões. Enquanto formos amigos de pessoas iguais a nós, débeis, e inconstantes, vamos estar sujeitos a traumas produzidos por incidentes nos relacionamentos. (Sl 41:9; Zc 13:6)

Conclusão: Na Igreja é onde estão os verdadeiros amigos. Precisamos de amizades sólidas e profundas às quais podemos recorrer nos momentos de aflição e que nos alegram e nos fazem rir nos momentos de descontração. Precisamos de amigos que sentimos saudades quando ausentes; que nos atraem para mais perto do Senhor e que nos desafiam a sermos santos.
Jamê Nobre
* Extraído e adaptado do site: http://conexaoeclesia.com/

Sugiro que assistam esse vídeo: clique aqui
 
 

É possível sentir saudade de algo que nunca se viveu?


E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo a necessidade de cada um. E, perseverando unânimes TODOS DOS DIAS no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar. - Atos 2:41-47.

É possível sentir saudade de algo que nunca se viveu? Já faz algum tempo que tenho sentido saudade desse período descrito nesse texto de Atos. Às vezes tenho uma vontade enorme de estar lá, vivendo isso. Pensamento louco? Pode ser. A igreja nesse tempo vivia em plena comunhão. Eles se viam TODOS os DIAS!!! Imagine aí! Todo dia é todo dia. Não são 2 vezes na semana, nem 3, nem 4, mas TODOS DIAS. Os 7 dias da semana, 31 dias do mês... Eu fico pensando o quanto era bom, estar com pessoas que partilhavam da mesma fé, do mesmo Senhor, da mesma esperança. Eles eram um. Viviam isso: "Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. João 17:21". 

Eles cresciam em qualidade e em quantidade. 

Como não desejar esse Jesus. O transformador de tantas pessoas. Os intolerantes, passaram a tolerar. Os odiosos, passaram a amar. Os medrosos, ficaram corajosos. Os ladrões, passaram a dar "porque é melhor dar do que receber". Os lascivos passaram a controlar os seus desejos. Os mentirosos agora dizem a verdade... 

Reflito sobre isso e penso: Qual o real sentido da minha vida aqui nessa terra? Ganhar dinheiro? Ter posses? Me tornar um doutora? Casar? A resposta é NÃO. E, é por saber disso que sinto saudade desse tempo. Eles não se preocupavam com coisas terrenas, passageiras, acabáveis, mas, tinham sempre em mente e em prática que essa vida só vale a pena ser vivida se for para agradar ao Senhor Jesus, se for para levar outros a Ele, se for para ajuntar tesouros nos céus. Infelizmente, a maioria de nós, tem feito o contrário.

Aqueles irmãos não tinham carro, nem internet, nem ônibus, nem celular, mas, ainda assim, estavam juntos em todo o tempo. E nós? Quanto do nosso tempo corrido temos dado a Deus em favor dos nossos irmãos? Em que momento do nosso dia corrido temos falado do amor de Cristo? Será que só nos importamos com nós mesmos, e não temos tempo para cuidar de alguém, visitar, ligar, dar atenção, orar, abençoar? 

Pense menos em você e mais no outro. Dê mais amor e cobre menos. Cuide de alguém. Se importe com alguém. Tenha prazer em estar com a igreja. E, deixe que Jesus cuida do resto (As demais coisas serão acrescentadas).